AVARIA GROSSA - NAVIO MAERSK LONDRINA

12 de maio de 2015

AVARIA GROSSA - NAVIO MAERSK LONDRINA

Data de Publicação: 18 de julho de 2019 10:49:00

No ultimo dia 25 de Abril ocorreu um grave acidente envolvendo o navio Maersk Londrina, um porta-containers que faz a linha regular entre portos asiáticos e brasileiros, no Oceano índico, após fazer escala em Tanjung Pelepas, na Malásia, quando navegava com destino aos portos brasileiros de Santos, Sepetiba, Itapoá, Itajaí e Paranaguá.

O navio sofreu explosão seguida de incêndio no interior do porão nº 7. O comando de bordo solicitou assistência e o navio permaneceu à deriva por muitas horas até que o chamado de socorro fosse atendido. O navio foi rebocado e escoltado até Port Louis, nas Ilhas Maurício, na segunda-feira 27/04. onde houve o resfriamento e prosseguimento de combate ao incêndio.

O mesmo permaneceu 3 dias em Port Louis e seguiu para Port Elizabeth, na África do Sul, onde os peritos navais nomeados investigarão as circunstâncias do acidente e realizarão a inspeção náutica a bordo, identificarão as unidades afetadas e apresentarão o plano de vistorias particulares. Pelas informações iniciais, 15 contêineres foram destruídos pelo incêndio e outros 332 estão estivados no porão nº 7, podendo ter sido afetados.

Os contêineres afetados serão identificados e os clientes serão informados individualmente, dependendo das condições que a unidade se encontra. Os esforços para apagar o incêndio a bordo resultaram em altos custos e sacrifícios extraordinários, por esta razão os armadores proprietários do navio declararam a Avaria Grossa e o regulador nomeado foi o Andrew Hamilton da empresa Willis Limited.

O plano de contingência em relação ao navio e a carga será confirmado assim que a inspeção no navio em Port Elizabeth for finalizada. As despesas extraordinárias decorrentes dos procedimentos de salvamento serão rateadas proporcionalmente entre o navio (casco) e os proprietários das cargas.

Para a regulação da Avaria Grossa, dois formulários serão enviados pelo armador (Average Bond e Average Guarantee). Esses documentos precisam ser preenchidos com os dados do container e BL, assinados, carimbados e enviados juntos com uma cópia da invoice, ao Average Adjuster nomeado. Caso os termos preenchidos e assinados não cheguem ao Regulador, as mercadorias não serão liberadas pelo armador.

As despesas da Avaria Grossa estão cobertas pelo seguro de transporte internacional. Para os importadores com seguro, as Seguradoras responsáveis irão intermediar e coordenar todas as medidas de proteção às cargas seguradas. Já os importadores sem seguro de transporte terão que efetuar um depósito na conta indicada pelo armador, correspondente ao valor definido de sua participação na Avaria Grossa, do contrário não receberão suas cargas.

Após a chegada do navio nos portos brasileiros e desembarque das cargas, o Terminal Responsável emitirá o Termo de Falta e Avarias (TFA), e dependendo dos registros, as seguradoras orientarão sobre a forma de realizar as vistorias e encaminhar as cartas-protesto.

Pedimos que os clientes que tenham cargas no navio Maersk Londrina entrem em contato conosco para adoção das providências que se fizerem necessárias.

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário